O pólipo intestinal é uma alteração causada pelo crescimento anormal da mucosa do intestino grosso. É uma das condições mais comuns que afeta o intestino, ocorrendo em 15 a 20% da população.

Eles podem ser de diversos formatos e podem surgir em qualquer parte do intestino grosso. Inicialmente são diminutos e benignos (adenoma), podendo crescer até sofrerem transformação maligna (adenocarcinoma), por isso a prevenção com exames de rastreamento são tão importantes. 

Como surgem os pólipos?

Pólipos intestinais surgem como resultado das alterações (mutações) dos cromossomos de algumas células da mucosa, fazendo com que as células tenham um crescimento descontrolado e desorganizado. As mutações podem surgir ao longo da vida e tem maior chance de ocorre em pacientes acima dos 50 anos, além disso algumas famílias tem alterações genéticas que determinam maior risco para desenvolvimento de pólipos. 

Quais são os sintomas?

A maioria dos pólipos não causam qualquer sintoma e são descobertos em exames de rastreamento, como a colonoscopia.

Quando provocam sintomas, podem provocar sangramento, saída de muco com as fezes e alterações no funcionamento do intestino.

Como descobrir se você tem pólipos?

Os pólipos podem ser diagnosticados através de exames endoscópicos, como a colonoscopia ou radiológicos, como o enema opaco, hoje em dia menos utilizado.  

Exames mais simples também podem ser indicados para a detecção precoce. A pesquisa de sangue oculto nas fezes pode ser útil para selecionar pacientes candidatos aos exames completos como a colonoscopia. Mas, é importante enfatizar que um teste negativo não exclui a presença de um pólipo. 

E após o diagnóstico??

Todos os pólipos encontrados no exame endoscópico devem ser totalmente removidos e enviados para análise do médico patologista (exame anatomopatológico). A imensa maioria dos pólipos é removida através da colonoscopia, exame que permite a utilização de instrumentos delicados e especiais. Contudo, a localização e as características de alguns pólipos podem exigir sua remoção através de cirurgia.

 Este exame teve início na década de 80 e desde então foi aperfeiçoado e já representa um procedimento seguro. Atualmente, os equipamentos empregados no exame (colonoscópios) produzem imagens de excelente qualidade havendo grande variedade de acessórios destinados à remoção dos pólipos (polipectomia). Dessa forma, o especialista tem condições de usar o arsenal mais adequado de acordo com as características do(s) pólipo(s). As complicações são potencialmente graves (hemorragia ou perfuração intestinal), eventualmente requerendo tratamento cirúrgico para sua solução. Apesar da possibilidade de complicações, sua baixa incidência não deixa dúvidas a respeito do benefício de se propor a colonoscopia e a polipectomia como estratégia eficaz na prevenção do câncer de intestino.

Se você tiver dúvidas em relação a indicação da colonoscopia para pesquisa de pólipos procure um coloproctologista!!

                                                                                        Dra. Renata Bandini